Press "Enter" to skip to content

(Atualizado) Eu sou admin de um grupo de whatsapp de BDSM

Ares 2

Atualização

Sempre trabalhei com grupos sociais, alguns eram relacionados a religião, times de esporte, associações estudantis e mais recentemente com grupos BDSM.

As pessoas tendem a se associar aos que compartilham algum interesse, isso é básico da sociedade. Nos associamos em clubes do livro, em clubes de final de semana, em torcidas organizadas, em grupos BDSM de WhatsApp, as vezes até em uma parceria de 2 pessoas somente, seja em torno de um empreendimento ou mesmo do casamento. Nós enquanto seres humanos não nascemos para viver sozinhos e conquistamos boas relações através de trocas.

Quando o meio BDSM se tornou um pouco mais “palpável” pela facilidade propiciada pela internet começaram a aparecer certas “lideranças” e isso se tornou uma situação polemica.

Normalmente as boas lideranças lideram pelo exemplo, por atitudes positivas e boa índole, enquanto que as lideranças ruins tentam se impor por algumas atitudes ruins e de pouca potência.

Há quem defenda iniciativas BDSM como uma forma de alavancar o meio BDSM, mas eu defendo que sem os motivos certos toda e qualquer iniciativa é facilmente desvirtuada.

As razões mais costumeiras são:

– Autopromoção

Não é que o que você vai criar vai mudar o mundo, é que você vai se autopromover. Neste ponto os motivos podem ser desde uma vida em que a pessoa não conseguiu nada que tem valor para ela, até se promover para conseguir ter outros parceiros. Ela cria um grupo, adiciona pessoas, muitas vezes sem consentimento, e se torna admin daquele grupo, posta o mínimo de conteúdo possível e bane todo aqueles que discordam ou que ameaçam. Tenta impor uma ditadura, que da mesma forma que facilmente é imposta, facilmente é deposta.

– Beneficio próprio ($$)

Já vi pessoas tentando ganhar dinheiro a todo custo com BDSM, elas tentam de toda e qualquer forma encontrar pessoas que literalmente “trabalhem” para elas. Normalmente estas pessoas tem um medo tão grande de gerar valor que suas iniciativas acabam tendo pouca potência, acabam por ter pouca adesão, já que ela normalmente não quer trocar. Essas são abordagens comuns no meu inbox:

-“Oi, gostaria de fazer uma festa BDSM, poderia usar um dos locais que vc tem? Poderia usar a sua lista de e-mails para divulgar?”

Resposta comum: “Oi, bom dia/boa tarde/ boa noite, estou bem, obrigado por perguntar. Claro que te ajudo, estou ansioso por escutar o restante da sua proposta e descobrir como ela seria vantajosa para nós dois”

– “Ola, vi que você tem uma loja fetichista, quero revender seus produtos, você faz a preço de custo para eu revender?”

Resposta: “Oi, bom dia/boa tarde/ boa noite, estou bem, obrigado por perguntar. Claro que faço a preço de custo, poderia só me dar uma boa razão para eu fazer isso?”

– “Olá, quero comprar seus produtos, mas é tudo muito caro.”

Resposta: Oi, bom dia/boa tarde/ boa noite, estou bem, obrigado por perguntar. Os meus produtos, principalmente os que fabrico, são feitos em sua maioria artesanalmente com técnicas e tecnologia que aprimorei durante alguns anos. Acredito que você quer produtos de primeira qualidade e esteja insatisfeito com produtos descartáveis, de baixa qualidade e de baixo custo de sex shop. Portanto, quer pagar quanto?

– “Oi, quero participar do serviço que você oferecer, mas não quero pagar nada nunca.”

Resposta: Oi, bom dia/boa tarde/ boa noite, estou bem, obrigado por perguntar. Normalmente, as ferramentas que desenvolvo visam gerar valor para você, você vai ganhar dinheiro com isso. Os custos relacionados ao serviço que forneço vão desde tarifas de cartão de crédito, até despesas de hospedagem, passando por marketing, internet, programação, manutenção dos computadores, pagamento de uma equipe que trabalha comigo, etc. Por que eu assumiria todos estes custos e “pagaria” para trabalhar para você?

– Altruísmo

Eu acredito que altruísmo verdadeiro seja praticado diariamente, e que não dependa de autopromoção nem de ganhos financeiros. Acontece sim de se ser recompensado por altruísmo, mas é algo inesperado e muitas vezes nem vem. Sendo altruísta, você não fomenta o meio BDSM, você não faz iniciativas para tornar o meio BDSM melhor, você ajuda pessoas. Ajuda pessoas a se encontrar, ajuda pessoas a se conhecerem, e até é sincero com algumas e diz “isso aqui não é pra você”, ajudando ela a poupar tempo e energia com algo que você acha não ser pra ela.

– Gerar valor

Para mim, esta é a melhor forma de se conquistar poder. Você se torna bom, referencia, compartilha conhecimento, ajuda as pessoas e fornece algo substancialmente bom para vida delas, em troca elas lhe dão poder e dinheiro.

Uma relação BDSM deveria existir assim, com o intuito de gerar valor. A submissa deseja se entregar e realiza as vontades do Dominante. O Dominante quer receber a submissa, descobrir seus desejos e ter alguém que faria tudo por ele. A submissa gera valor para o Dominante e o Dominante gera valor para a submissa. Uma troca perfeita para uma relação sadia.

Para concluir, ter iniciativas em qualquer ramo de sua vida tem que exigir um objetivo claro. Se você não sabe os motivos pelos quais empreende sua energia, suas iniciativas vão ser de baixa potência e você vai se frustrar. Se você tem boas razões, convicções e quer fazer coisas realmente boas, você vai encontrar pessoas para te seguir e para te ajudar, obtendo assim sucesso.

Deixe uma resposta para Ares Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *