Press "Enter" to skip to content

Foco em quem Domina? Os papeis no BDSM.

Ares 0

Me perguntaram ontem: “Ares, leio seu blog, vejo seus textos, e acabei percebendo que a maior parte do seu conteúdo é focado em quem Domina. Isso é proposital?”

Dentro do contexto BDSM, há a situação de Dominação submissão, que chamamos de D/s. Uma relação D/s (ou Ds) é uma relação em que uma pessoa Domina, e a outra pessoa se submete. Dentro do jogo, cada papel tem consigo algumas atribuições, “vantagens” e responsabilidades.

Quem se submete, costuma ter o foco em atender as necessidades de quem Domina. As necessidades de quem Domina variam, podem ser coisas extremamente pervertidas, podem ser massagens e “serviços orais”, pode ser uso pra sexo, ou pode ser coisa mais simples, como mão de obra, por exemplo, pra arrumar a pia. Etc.
Imagine você Domina, num dia que foi estressante, que vc resolveu muita coisa, ou ainda depois de alguma atividade física. Imagine você “vegetando” no sofá mexendo no celular. Você subitamente se lembra da pia cheia, precisando de atenção, e bate aquela preguiça. Aí você pensa, meu submisso, ou minha submissa, amanhã ele(a) vêm, e já sei o que terá que fazer para merecer a sessão. Afinal, a pessoa te servir é um privilégio pra ela, certo?

Quem se submete tem que deixar claro o que procura, as fantasias que tem, o que quer realizar, e mais ainda os limites. Mesmo que a pessoa não conheça todos os seus limites, quando surgir alguma coisa que seja um limite, essa pessoa tem que falar.

O papel de submisso(a) não se resume a chamar quem Domina de “Senhor”, “Senhora”, o papel de quem se submete é atender as necessidades do seu/sua Dominante. E as vezes a necessidades de quem Domina, são de infligir torturas, marcas, dor, etc.

Lógico que, se o submisso(a) estiver com uma pessoa que Domina e que não cuida da própria casa, não cuida da própria pia, e o submisso(a) tem que fazer faxina com muita frequência, tem que arrumar tudo sempre, tem que cuidar da casa sempre, o submisso(a) se cansa. E pode começar a cobrar direitos trabalhistas hahahahaaha.

Quem Domina tem que ter o foco em realizar as suas fantasias e realizar as fantasias da pessoa que se submete, nessa ordem. Além disso, quem Domina costuma ter certas regalias. Pode pedir pra arrumar a pia, pode pedir uma massagem nos pés, pode pedir uma massagem relaxante, um sexo oral, entre outras coisas. Tem Dominantes que pedem tributo, que recebem dinheiro do submisso, cada relação tem suas próprias regras e liturgias.
Lembrando que um bom Dominante, uma boa Dominante, é alguém que sabe o que está fazendo, “pede”, mas pede de um jeito que o submisso(a) parece que não tem escolha. Fica parecendo pra quem se submete, que a vontade de quem Domina é soberana, e que uma Ira divina cairia sobre ela se ela não obedecer e obedecer com urgênciaLegal né?

Essa capacidade de tirar quem se submete da zona de conforto e levar a submissão a outro nível, faz quem Domina ser especial na vida do submisso(a).

Agora vêm a parte complicada da coisa. Por causa de todo esse poder que quem se submete dá, quem Domina tem que, necessariamente, ser responsável. Tem que lidar com os desejos, anseios, expectativas do submisso(a) como se fossem as coisas mais raras e valiosas da face da terra. E isso é difícil, principalmente porque quem avalia se o(a) Dominante está sendo responsável, é justamente a pessoa que entrega o poder, ou seja, quem se submete.

Quem se submete, regula quem Domina. Se uma das partes está pisando na bola não entregando o que prometeu, seja entregar Dominação ou seja entregar submissão, a relação tende a ter problemas e por mais gostosa que seja, tende acabar.

Quando se trata de relações em que há uma tensão menor, ou seja, as pessoas entram nos papeis na hora da sessão, mas depois voltam ao seu estado “normal”, o estado baunilha, há uma cobrança menor entre elas. As relações que envolvem BDSM costumam sofrer com expectativas maiores.

E aí vem a resposta da pergunta: Porque o meu foco acaba sendo mais quem Domina do que quem se Submete?

Primeiro, porque há infinitamente mais pessoas querendo se submeter, do que pessoas querendo Dominar. Cria um perfil de Domme, coloca uma foto sexy de uma mulher usando botas, são inúmeras mensagens que você receberá por dia. As pessoas escolhem se submeter por preguiça.
Preguiça de lidar com suas próprias expectativas, preguiça de lidar com a responsabilidade de Dominar, e mais ainda por egoísmo. Procuram alguém que aplique as práticas nelas, dessa forma usando quem Domina.

Ah, mas eu não sou assim, eu me submeto para satisfazer quem me Domina. Ok, considere-se exceção e continue fazendo isso, você com certeza vai ser mais feliz do que quem quer apenas usar o/a Dominante.

Segundo, o meu foco é maior em quem Domina, porque se a relação não estiver boa, a culpa é de quem Domina.
Quem Domina diz “Sim”, diz “Não”, diz “talvez”, diz o que pode, o que não pode, como quer e como não quer. Se quem Domina se torna passivo, quem se submete perde referencia e começa a fazer cagada.

Imagina que quem Domina aceitou um submisso(a) que não gosta de Spanking, mas quem Domina precisa fazer Spanking, é uma necessidade dele(a), é algo vital, quem Domina não se imagina Dominando sem fazer Spanking.
Aí começam-se sessões frequentes, aí dá um tapa, aí pega um Flogger e quem se submete logo reclama “o combinado não era esse”, “não suporto apanhar”, etc. Aí para a brincadeira. Você já deve ter visto isso.

Tem duas soluções que dependem de quem Domina. Porque pra quem se submete ta ótimo, só tem o que quer, tem uma pessoa comprometida com seu prazer, que trata bem, que dá carinho, que faz as praticas que ela gosta, etc.

– Uma conversa séria, “submisso(a), eu preciso disso pra ser feliz, o que posso esperar de você pra que você realize isso? O que você, se submetendo, espera de mim?”, realinhar as expectativas. Sem fazer drama, sem pedir nada além do que a outra pessoa é capaz.

Ou

– “Você me conheceu assim, você me aceitou assim, eu não quero mudar”. O que nos leva a um Pé na Bunda. Se é importante pra quem Domina, e é felicidade em jogo, não perca seu tempo.

Se quem Domina insiste em evitar a conversa, se quem se submete não quer mudar, se as duas pessoas não querem sair da zona de conforto e começam a ficar insatisfeitas, quem Domina perde gradualmente o tesão, as sessões que eram semanais ou quinzenais, passam a ficar mensais, até um dia não acontecerem mais. A falta de interesse do parceiro(a) é o maior indicativo de que a coisa não vai bem.

Então, meu foco é em que Domina, porque quem Domina tem mais responsabilidade, mesmo que o esforço de uma relação seja 50% x 50%, é quem Domina que diz onde esse esforço deve ser exercido.

Espero ter te ajudado a refletir sobre isso. Se você quer uma relação mais leve, viva essa relação mais leve, mas seja responsável de comunicar isso ao seu parceiro(a)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *