Press "Enter" to skip to content

Os Novatos no BDSM

Ares 2

Eu tenho recebido muitos novatos ultimamente e senti necessidade de escrever sobre isso. Sempre respondo as pessoas que me procuram.

Por mais que a duvida pareça “banal”, “ridícula”, “básica”, etc. não tem disso. Uma dúvida é uma dúvida, se você não tem uma informação e eu posso te ajudar, eu vou ajudar.

 

Só pra ilustrar.

Uma vez vi algo assim, a Domme estava com o submisso deitado/de quatro, sobre um movel, pegou um plug, lubrificou e inseriu no submisso. Uma pessoa que estava assistindo se espantou: “Nossa, mas aquilo vai no cú? Entra ali?“. E teve uma resposta tranquila “sim, o cú ou anus, tem uma certa dilatação e cabem “coisas” la dentro, algumas pessoas se excitam muito com isso, é relativamente tranquilo, o plug anal é um acessório próprio pro anus, inclusive muito seguro“.

Quem vê de fora pode pensar “Nossa, mas o cara não sabe o que é um cú e como funciona prazer anal!? Não merece estar no BDSM.” Na minha opinião, ele está no BDSM procurando mais, mais prazer, mais informação, mais qualidade de vida, então essa dúvida traz mais benefícios, pra ele principalmente, do que se ele guardasse isso pra si e nunca perguntasse.

 

Mais um exemplo. Tem muitos homens que não sabem o que é um clitóris. Se eles vierem pro meio BDSM, querendo se informar e aprender, eles vão ter que aprender o que é um clitóris, e se me perguntarem eu vou ajudar.

Inclusive, pra alguns homens saberem, o “buraco” que sai o xixi, é diferente do “buraco” que pode ter penetração.

 

Se as pessoas tiverem humildade de se mostrar com dúvidas, elas vão aprender mais e ser mais felizes.

 

Todo mundo já foi “novato”, “inexperiente”, já teve pouco conhecimento sobre determinado assunto, isso é assim com matemática, com pintura, com natação, com sexo, etc, e até com BDSM. Sempre temos pessoas começando em todas as áreas.

 

O que diferencia quem vai ser sempre inexperiente de quem vai ser experiente ou ainda se tornar um mestre algum dia, é uma decisão, que tem que ser tomada frequentemente. A decisão de continuar.

 

Vejo que as pessoas tomam decisões da seguinte forma:

  • Eu observei as pessoas praticando hipismo, mas decidi que não é pra mim. Acho bonito, mas decidi só observar.
  • Decidi que vou comprar alguns acessórios e de vez em quando eu vou praticar. Tenho os acessórios de equitação, algumas roupas pois acho legal e muito raramente eu vou praticar. Quando der tempo.
  • Vi alguns videos sobre hipismo, decidi aprender, decidi que vou praticar aos finais de semana, vai me fazer bem. Decidi que não quero ser um Mestre em hipismo, só quero praticar do meu jeito e no meu tempo.
  • Decidi aprender sobre hipismo. Decidi me associar a um grupo e fazer parte do meio do hipismo. Sempre que possível eu vou estar la, adoro o espaço, adoro a convivência, me faz muitíssimo bem.
  • Estudo sobre hipismo todos os dias. Tenho meu próprio cavalinho que amo. Eu sonho em morar em um haras.
  • Eu sonho em ser profissional com alguma coisa relacionada a isso. Eu vou ser um cavaleiro, uma cavaleira, vou disputar corridas, ou vou fazer percurso de obstaculo. Eu quero ser veterinario, vou trabalhar com equinos.

 

Tem vários níveis de comprometimento com algo que você gosta, há pessoas que vão respirar isso, viver 24h por dia com a cabeça voltada pra algo que goste. Há pessoas que vão olhar e falar “Neh, não é pra mim”.

 

Em todos os casos o que faz diferença mesmo é a decisão, a escolha, e isso é extremamente pessoal. A partir dessa decisão, as pessoas buscam mais informação, buscam gastar energia, buscam até adquirir coisas, ou não, só largam pra lá.

 

Pausa pra você que lê o meu blog, me segue e quer aprender sobre BDSM do meu jeito.

Eu, Ares, estou com um projeto de ensinar BDSM do meu jeito. Ajudar as pessoas a realizar fetiches, fazer as praticas, aprender as técnicas e conseguir alcançar o que alcancei nesses anos todos, porém mais rápido, que você não tenha que esperar anos para conseguir realizar suas fantasias, você já esperou até agora. A ideia é um curso.

Estou com uma lista de espera em aberta, o curso deve começar em junho.



 

Continuando.

 

Se você já tomou essa decisão, em algum nível, você tem que procurar “como começar a praticar BDSM?”.

Com BDSM tem 3 formas principais.

  • Grupos de Whatsapp

Eu tenho todo um texto sobre isso. De forma geral e resumida, Grupos de Whatsapp de BDSM atendem somente uma única coisa, que é conectar pessoas. Nunca vi um grupo de whatsapp, de qualquer natureza que se mantivesse com outro propósito. Desde os grupos de família, até grupos do “pessoal do trabalho”, todos servem pra conectar pessoas.

“Ah mas eu participo de um grupo de “discussão da filosofia BDSM”, temos debates, temas, etc.” 1% do grupo participa dos debates e nunca é pra debater o tema e obter conhecimento, normalmente é pra se mostrar ativo no grupo e conseguir conhecer mais pessoas, as vezes fazem pelo Ego. Participar de grupos as vezes também funciona pra ficar sabendo de festas e eventos, pra ir e se conectar com outras pessoas.

A convivência traz aprendizado, muito aprendizado, mas você sempre tem que ter bom senso pra saber o que pode ser aplicado a você ou não.

Mas pelo que vejo, quem começa através de grupos de whatsapp, que o primeiro contato foi através de grupos de whatsapp de bdsm, tem poucas chances de continuar. Principalmente porque as pessoas que gastam mais tempo com grupo de whatsapp de bdsm, normalmente fica procurando parceiros ou parceiras pra ter sessão, e quando isso não é dosado, quando a pessoa não quer conversar, só a parte sexual, isso acaba sendo mais inconveniente. É muita gente que te vê no grupo e acha que por vc participar de um grupo de BDSM, e ele também, você é um Match perfeito.

 

  • Internet. Fetlife, Facebook, etc.

Há redes sociais para procurar parceiros, dá até para aprender BDSM, mas de novo, o foco é mais conectar as pessoas. Se você encontrar alguém que fala algo que faz sentido pra você, cole nessa pessoa, mas não acredite cegamente em tudo o que ela diz.

Eu mantenho um perfil em cada uma das redes, tenho amigos, converso com pessoas, vejo fotos, curto fotos, compartilho, etc. Quando quero aprender sobre BDSM, as vezes encontro bons textos e bom material de leitura, mas é meio raro. Só que essas redes me permitem ir atrás dos meus amigos, novatos e veteranos e tirar duvidas.

Uma rede social tem uma timeline, uma linha do tempo, as vezes o que alguém postou hoje e que é muito interessante, se perde em meio a fotos, videos e outras coisas de rede sociais.

  • O Mundo Real

“Ah, mas o virtual em pessoas reais…” Então, tudo o que existe na internet, tende a existir pra causar mais impacto. A pornografia BDSM é muito diferente das sessões reais, de pessoas “amadoras”, ou mesmo que não filmam.

Sabe aquela pessoa que quando vai pra internet ganha força? Protegida por anonimato ganha coragem? Então, quando você vai pro real, normalmente é diferente.

Pra pessoas tímidas, e eu já fui tímido, usar a internet pode facilitar, você tem dificuldade de se comunicar com pessoas, você não consegue se expressar bem sempre e aí fica relembrando as conversas que teve e tentando achar argumentos melhores, etc. Durante muito tempo da minha vida, eu procurei parceiros BDSM na internet, em chat, bate papo, rede social, etc.

Ok, mas como começar “Pelo Mundo Real?”

 

Use as redes sociais, use os contatos que vc tem e comece a encontrar estes contatos. Saia, convide pra um café, marque em um shopping, etc. Crie uma rede de contatos.

 

Muita gente me questiona quando digo para conhecer pessoas, “mas é perigoso conhecer alguém na internet!” E infelizmente pode ser mesmo, por isso que eu sempre digo pras pessoas, marque em um shopping.

Pontos positivos de se encontrar em shoppings:

  • Local Público.
  • Tem câmera em todos os ambientes.
  • Todo Shopping tem estacionamento.
  • Todo Shopping tem como chegar fácil (Ponto de ônibus, Metro, ponto de táxi, estacionamento).
  • Tem comida.
  • Tem bebida alcoólica, suco, refrigerante, etc.
  • É barato, você só gasta o transporte.

 

Aí se rolar a vontade de ficar com a outra pessoa, você fica. Se der vontade de ir embora, você vai.

 

Tem outra forma também.

 

Comece a frequentar eventos.

Festa BDSM, Munch BDSM, Workshop de Técnicas ou cenas, etc.

Nossa, mas eu vou em uma festa BDSM!? O que vao pensar de mim?

 

Você quer ir, certo? Então vai. Quer viver essa experiencia, certo? Então viva.

Ninguem no evento vai te julgar, e fora dele as pessoas provavelmente vão fingir que não te conhecem, principalmente em ambiente profissional.

 

Eventos BDSM são tranquilos, se você não quer ir a uma festa, se arrumar, sair a noite, etc.. Procure um Workshop.

 

Mas eu não quero aprender a Dominar, eu quero ser sub“, “Não quero aprender a amarrar, quero ser amarrado(a)“, etc.

 

Ok, mas o Workshop é o melhor lugar pra conhecer pessoas. Lá estarão todos mais tranquilos, com foco em aprender algo, e na pior das hipóteses você aprende algo novo.

Se ainda sim ficar inseguro(a), mande uma mensagem pra quem organiza, essa pessoa vai tirar suas inseguranças e você pode ir, ou vai te dar uma resposta “insatisfatória” e você não vai.

É melhor do que ficar “como teria sido se eu tivesse ido??“.

 

Em resumo, a ideia deste texto é te dizer que: Tem gente que só quer o virtual, e vai te atrapalhar a viver. Os motivos variam e não cabe a mim julgar, só que se pra você, assim como eu, só o virtual não serve, cerque-se de pessoas que querem o real.

 

O importante é começar, depois disso você passa sua primeira experiencia, que normalmente é ruim e aí você vai saber “o que”, “quando” e “como” viver o BDSM.

A segunda, terceira, quarta, etc, experiencias, tendem a ser muito melhores do que a primeira.

  1. Paolla Paolla

    Gostaria de participar de um evento, festa ou workshop…em BH, como faço?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *