Press "Enter" to skip to content

Faça como eu faço…

Ares 4

Essa é uma técnica que quase ninguém usa. Mas que pode te ajudar muito, principalmente se você tem dificuldade de encontrar um parceiro.

 

Há 3 formas hoje em dia de se encontrar um parceiro pra se praticar BDSM. Praticar BDSM seria, no caso, fazer praticas, conversar sobre e até experimentar fetiches.

A Primeira, que acaba sendo a escolhida principalmente por homens novatos, e abastados, é pagar por isso. Pagar pela experiência tem suas vantagens e desvantagens, eventualmente todo mundo acaba tendo despesas, mas ainda assim é diferente de se pagar diretamente. “Quanto você me cobra para fazermos isso, isso e isso?”. Pagando acaba economizando tempo, mas eventualmente dificulta a continuidade para uma relação. Se você paga, escolhe alguma Domme com espaço próprio e bem equipada, isso facilita a realização do seu fetiche, já que você não precisa compra-los.

Eu não conheço ninguém no Brasil que seja tão bem equipado. Ou com um espaço tão bom. Mistress Miranda <3

 

A Segunda forma é Convertendo um Baunilha. Baunilha pra quem não sabe, é um termo usado entre BDSMers, que significa “aquele que não é BDSMer”. Experimentar fetiches com pessoas fora do meio pode ser muito bom, mas é extremamente trabalhoso se você não sabe como fazer, até porque, vários tabus que a pessoa teria de vencer sozinha, para poder experimentar livremente estes prazeres, é você quem faz aparecer, e é você quem tem que lidar com eles. Um dia eu mostro um guia passo a passo pra isso.

 

A Terceira forma seria procurando parceiros no meio BDSM. Procurar parceiros dentro do meio BDSM tem vantagens e desvantagens, a principal vantagem é que, mesmo sendo novato, a pessoa já tem algumas coisas as quais ela quer experimentar, já venceu alguns bloqueios pessoais e está mais aberta a isso tudo. Eventualmente você teria que mostrar pra essa pessoa a diferença entre BDSM e Baunilha, de forma que ela não procure as razões erradas, mas isso acaba sendo mais tranquilo do que tentar converter um Baunilha.

 

Hoje eu vou falar sobre procurar parceiros no meio BDSM.

 

Pra procurar um parceiro, você tem que se conhecer um pouquinho, e entender qual é o papel que gostaria de ser no meio BDSM. Dom, Domme, Switcher, sub? Outro?

 

Normalmente esses papéis são mutáveis, até porque é um processo de autoconhecimento e dessa forma você muda ao longo do tempo, assim como suas preferencias mudam.

 

Então se você sabe o seu papel, fica fácil adotar uma postura condizente, e procurar o que te complementa, certo?

 

Mais ou menos.

 

Saber o que queremos é extremamente necessário. Mas eventualmente a postura e as práticas que vc escolheu pro seu papel, podem te atrapalhar mais do que te ajudar.

 

Quando você escolhe por exemplo se submeter, é comum que idealize um Dominador(a) dos seus sonhos, alguém que vai conseguir fazer e acontecer, e tornar tudo o que você sempre quis real, você acha que ele vai gostar de tudo em vc, e pode ser que sim, mas pode ser que não.

 

Digamos que vc encontre uma pessoa que seja fissurada com shibari, mas você não tem nenhuma paciência com shibari. “200 metros de corda, nós trabalhosos, horas e horas pra amarrar e desamarrar”, e aí toda vez o seu parceiro te pede cordas e vc não suporta mais. Eventualmente vocês resolvem parar por essa e qualquer outra razão. E você resolve não procurar mais alguém que goste de shibari. Isso acontece.

O problema é todo entender o que temos a oferecer.

Agora imagine o seguinte, você já sabe que não gosta de cordas, e numa conversa “aceita” isso, querendo eventualmente mudar o seu parceiro e “mostrar” coisas mais interessantes. É receita pra dar errado.

 

Se você se posiciona como submisso, você não tem que aceitar o “pacote completo do submisso”, você tem que saber o que quer, e que tipo de parceiro procura.

 

E aí vem a técnica que falei no início.

 

Em cima do que procura, você se ajusta para as expectativas do seu alvo. (Isso é marketing rs)

 

“Eu quero uma Domme que seja maléfica, que me use e abuse. Que esteja sempre de látex ou couro.” Que tipo de coisa você faz ou teria para atrair este tipo de Domme? Que tipo de pessoa essa Domme procura?

 

“Eu quero uma submissa super gostosa, capa de revista, que malha todos os dias.” Que tipo de coisa você faz ou teria para atrair este tipo de Submissa? Que tipo de pessoa essa submissa procura?

 

“Eu quero um submisso tipo viking, machão, bruto, que só abaixa a cabeça pra mim.” Que tipo de coisa você faz ou teria para atrair este tipo de Submisso? Que tipo de pessoa esse submisso procura?

 

“Eu quero um Dominador que cuide de mim, que me trate como uma princesa e que seja bom de cama. Que tipo de coisa você faz ou teria para atrair este tipo de Dominador? Que tipo de pessoa esse Dominador procura?

 

E assim os perfis variam, tem gente de todo tipo, que aceitam/fazem muitas coisas diversas.

 

O exercício é você se colocar no lugar do outro, para assim conseguir ver atitudes suas que provavelmente estão te atrapalhando, e mudar.

 

Certa vez, uma pessoa veio conversar comigo, a conversa era boa, mas ela estava com uma ideia meio errônea do que era esse jogo. De acordo com ela, eu era o Dominador com quem ela queria se relacionar, ela queria me servir. Mesmo já conseguindo ver as ideias errôneas, fui dando corda.

Por fim, ela se posicionava como uma “submissa”, que queria que eu servisse a ela. Ou seja, que eu realizasse as fantasias dela, e fizesse as práticas que ela gostava, somente.

 

Eu era o perfil de pessoa que ela procurava, mas ela não era o perfil de pessoa que eu procurava.

 

Em um exercício de empatia, consegui mostra a ela: “Eu gosto disso, e você diz que não gosta”, “Eu gosto de tal coisa, e você diz que não quer”, se eu for fazer tudo o que você quer, e não fazer nada do que eu quero, quem Domina é você, e não eu.

 

Eventualmente ela teve maturidade para rever alguns conceitos e tudo aconteceu.

 

Mas a técnica é essa: Descubra o que a pessoa que vc idealiza quer e se adeque para oferecer isso. Ou idealize outro perfil mais condizente para o que você tem a oferecer.

 

Nunca tente mudar o outro, principalmente se isso envolver mudar o papel da pessoa. De sub pra Dom ou de Dom pra sub. Sempre dá merda.

  1. Vivi Andadre Vivi Andadre

    Gosto muito dos seus textos. Sempre bem escritos, fáceis e gostosos de ler. E me fazem refletir bastante. Obrigada por compartilhar suas opiniões: )

    • Ares Ares

      Ola Vivi,

      Obrigado pelo seu comentario <3

      Fico muito feliz que meus textos possam te trazer coisas boas!

      Ares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *