Press "Enter" to skip to content

Órbita e o que ela tem a ver com seu relacionamento…

Ares 0

 

Sem dúvida, uma das coisas que acabaram por se tornar mais importantes em todos esses anos observando relacionamentos é a questão da órbita.

 

De acordo com o dicionário:

 

E pra ficar mais claro ainda, veja a imagem da órbita da terra em torno do sol.

Ou seja, são movimentos elípticos, em dois momentos os dois astros estão próximos, em dois momentos eles estão mais afastados.

 

Os relacionamentos funcionam da mesma forma. Em alguns momentos você se sente extremamente próximo, confidente e cumplice, em outros você se sente distante, como se a coisa toda estivesse esfriado. E isso é normal.

Todo relacionamento passa por “altos e baixos”. Nos pontos altos é como se a outra pessoa significasse tudo na sua vida, e você não consegue imaginar uma vida sem ela. Em alguns pontos baixos você se sente sozinho, abandonado, como um cão que caiu da mudança, como alguém que perdeu até o sentido de viver, e acha até que o relacionamento não tem mais volta. Parece exagerado? É para ser, pois para a maioria das pessoas é assim mesmo que funciona.

 

Vou desenhar! Rs

Não necessariamente um está no centro parado e o outro em volta, mas fica mais fácil ver assim no baunilha.

Repare que quanto mais perto, melhores as coisas estão, quanto mais longe, piores estão. Só é necessário ter em mente, que não significa “perto” de próximos fisicamente um do outro, mas significa “perto” de estarem alinhados, querendo as mesmas coisas e com expectativas parecidas.

Quando os dois estão alinhados, parece que tudo ganha cor, mesmo as maiores dificuldades se tornam simples com o “vamos vencer isso juntos!”.

E assim o relacionamento segue com seus altos e baixos. Quando está tudo ruim e os dois querem voltar aos “bons tempos”, eles fazem força e se atraem, tendo como resultado bons momentos.

Quando o relacionamento está ruim, e um dos dois faz força, eventualmente pode ser que melhore, ou não.

Quando está tudo ruim, e ninguém faz força, a coisa toda inevitavelmente termina, mesmo que se arraste por muito tempo, ela termina.

 

Mas o que saber do “ciclo de um relacionamento” tem a ver com BDSM?

Tudo!

Com uma perspectiva análoga, podemos considerar o seguinte:

 

 

Nessa situação o Dominante assume o papel de Sol, e o submisso faz a órbita em relação ao seu Dominante.

É inclusive ótimo usar Dominante como sol e submisso como lua, o Sol ilumina, fornece calor, é uma estrela pulsante de energia, o submisso é o reflexo de toda essa energia, é a lua. Quando o Dominante cumpre bem seu papel e guia o seu submisso, ele brilha.

Em uma relação BDSM de Dominação e submissão, também acontecem problemas, erros dos dois lados, e ocorre um ciclo parecido com o baunilha. Altos e baixos, momentos bons e ruins, tudo normal.

Porém o Dominante se mantém firme, servindo de referencia ao submisso, oferecendo a ele uma direção para que tudo volte a ficar bem.

E mais ainda dentro do jogo de Dominação e submissão, o Dominante sabendo o que faz, pode e deve usar dos ciclos para provocar propositalmente essa aproximação em um momento e afastamento em outro.

 

Uma pessoa, e nesse caso o submisso, só sabe que algo é bom, quando prova de algo ruim. Se ele sempre teve coisas boas, não sabe valorizar e consequentemente se torna displicente e desleixado.

 

Portanto, funciona assim:

– O submisso tem vontade de servir ao Dominante, o Dominante oferece o caminho, coloca dificuldades e recompensas.

– O submisso se esforça.

– Dominante proporciona as recompensas.

– Os dois curtem a relação.

– O Dominante começa a afastar o submisso com motivo e com objetivo.

– O Dominante proporciona uma forma do submisso consertar as coisas.

– O submisso se sente impelido a se esforçar.

– Dominante proporciona as recompensas.

– Os dois curtem a relação.

– E assim o ciclo pode se repetir, sempre conforme a vontade do Dominante que sabe o que faz.

 

Entendem o ciclo?

E assim você consegue “adestrar” o submisso para que ele seja o que você quiser.

 

Tem uns pontos a se tomar cuidado, como por exemplo, se a relação estiver fraca demais, você precisa fortalecer e mostrar para o submisso o tanto que pode ser bom estar com você. Se você afastar demais, o submisso pode perder a “visão” da recompensa e não querer se esforçar.

 

Fácil? 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *