Press "Enter" to skip to content

Você se lembra por que resolveu se aventurar com BDSM?

Ares 0

Recentemente estava vendo um vídeo sobre empreendedorismo em que foi apontado “3 erros graves que todo empreendedor vai cometer”. (aqui 5:36)

E como toda associação que faço, as vezes a coisa pode ser aplicada ao BDSM.

Um dos erros apontados é esquecer o porquê você faz o que faz.

Aos 16 anos, eu encontrei na internet algumas imagens relacionadas a BDSM e a fetiches, não era nada tão elaborado como hoje, ainda na época da conexão discada, que caía sempre e dava muito problema. Aos 19 tive minha primeira submissa e pude realizar vários fetiches, pude explorar o bondage, a questão de colocar o outro em posição vulnerável e de práticas como Spanking.

Como naquela época eu era pouco experiente, assim como somos em tudo o que começamos, procurei me informar, procurar referencias, e construir um networking. A ideia do networking era me deixar informado dos eventos que aconteciam e conhecer mais pessoas, para tentar então realizar meus fetiches. Até então meus fetiches não tinham muita forma, mas eu sabia que estavam ali e que se materializariam com autoconhecimento, e com conhecimento sobre BDSM.

Normalmente a coisa toda naquela época funcionava assim, haviam alguns poucos que se dispunham a organizar eventos, a orientar e a aparecer mais no meio BDSM. Esses que tinham destaque no meio BDSM, dividiam seu tempo entre a vida baunilha e o BDSM, e como sempre haverá de ser, a vida baunilha tomava muito mais tempo do que a BDSM. Com o pouco tempo restante, eles se dividiam em seus projetos BDSM, em conviver com pessoas, tinham os que tentavam fomentar o meio BDSM e os que serviam como ancora, atrapalhando os que tinham boa vontade e iniciativa. (Até hoje é assim rs).

Eu vivi alguma parte do tempo alheio a isso tudo, simplesmente não me sentia atraído pelo meio BDSM. O BDSM para mim se resumia nas sessões que eu tinha com minha submissa, eventualmente, muito raramente ia a algum encontro ou coisa assim, mas nada me era especial.

Certo dia, o BDSM tocou naquela ferida de tentar mudar o mundo. “Se eu, um cara comum, estava usando o BDSM para aumentar minha satisfação sexual, por que eu não poderia mostrar isso a outras pessoas? ” .

Comecei por onde todo mundo começa, pela dificuldade de se obter bons acessórios a um preço que eu poderia pagar. Era complicado comprar tudo em dólar, ou importar da china sem saber se a encomenda chegaria. Inventei meus próprios acessórios, fechei uma parceria com uma distribuidora de sex shop e comecei a vender timidamente.

Com o passar do tempo adquiri certa confiança e em parceria com uma amiga fiz meu primeiro evento BDSM, a primeira de muitas festas!

Mesmo a loja bdsm e fetichista, que existe até hoje, e os eventos não me satisfaziam completamente.

Já tentei alguns blogs, e até um tempo atrás escrever era um problema para mim. Sempre tive o pensamento agitado e sempre tive muitas opiniões sobre muitos assuntos, e acabava incomodando algumas pessoas por pensar diferente delas. Portanto, me cansei e os blogs não deram certo, bem como outras iniciativas menores e frustradas.

Recentemente redescobri o motivo de eu ter entrado no meio BDSM, e de estar até hoje tentando deixa-lo melhor. Conversando com amigos baunilha, em uma festa de casamento, que eu não dava nada por ela, percebi que pude influencia-los positivamente. Um casal de namorados, como outro qualquer, felizes, adoram a cia um do outro, bebem juntos, riem juntos e se entendem. Por meio de uma conversa, mostrei uma técnica simples que aprendi nos cursos de massagem tântrica que fiz, em que ele conseguia alcançar mais facilmente o ponto G dela, eles escutaram atentos, e ela cobrou dele que se lembrasse e tentassem os dois. Parece simples, mas muitos homens não sabem o que é clitóris, muito menos o que é Ponto G. Quando se fala em fetiches, aí é que o trem dana mesmo.

Eu entrei no BDSM buscando realização sexual, e encontrei nos amigos que fiz, e nas pessoas que pude influenciar positivamente, tornando as vidas delas mais leves ou mais excitantes, encontrei realização pessoal.

Se posso deixar um pouco de sabedoria dos percalços que passei, diria que se lembre de quem você é, do que você gosta, porque você veio ao BDSM, e não perca tempo atoa.

Um pouco mais de sabedoria das minhas experiências, deixo também registradas nesse blog.

Obrigado a você que tem me acompanhado diariamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *