Press "Enter" to skip to content

Ávidos, Ansiosos e Impacientes

Ares 0

Diariamente pessoas “chegam” ao meio BDSM, muitas não têm muita certeza do que buscam, a maioria está só de passagem.

O BDSM por si só é um mundo novo. Para alguns é um mundo mais coloridos do que aquele corroído pela rotina do dia a dia. Para muitos casais, começar a viver o BDSM pode ser a salvação ou a destruição de seu casamento, isso normalmente depende da capacidade do casal de estabelecer uma boa comunicação.

Como garantir que o início no meio BDSM seja pacifico? Fazendo exercício de sua paciência.

Para pessoas que chegam sozinhas, sem um parceiro fixo, o meio BDSM pode ser um lugar cheio de novas amizades e experiências únicas, como também pode ser um local que só haverá pessoas querendo se aproveitar delas.

Eventualmente todo mundo que chega é abordado por outra pessoa. As abordagens variam de “Oi, tudo bem? ” E segue para algum assunto, até “Olá submissa, apresente-se a mim”, e um que recebo muito de alguns homens “e aí? Curte o que? ”. Como mesmo na sociedade em geral, há pessoas bem-intencionadas e mal-intencionadas, cabe usar de paciência e até pegar referencias com membros mais antigos para saber em que está se metendo. A Paciência ajuda no seguinte, se é uma pessoa mal-intencionada, ela fica querendo obter resultados rápidos, saber se a pessoa “serve” para o que ela quer ou não, então eventualmente é só esperar e as pessoas mal-intencionadas se revelam. Como faço eventos em BH, é divertido conhecer as pessoas, e mesmo que eu saiba que há praticantes de BDSM sérios que nunca foram e não tem a menor vontade de ir a um evento, eu costumo sempre desconfiar quando uma pessoa diz que tem anos de BDSM mas nunca ninguém o conheceu ao vivo ou ele nunca foi a uma festa minha mesmo morando em BH.

Para casais que se aventuram a desbravar o BDSM, bem como aqueles que querem familiarizar o parceiro com práticas e jogos envolvendo BDSM, recomendo cautela. A primeira vez de qualquer nova cultura pode chocar, é sempre assim quando visitamos outro pais, ou até mesmo estados mais distantes, portanto é de bom tom ir com cuidado com seu parceiro.

As reações mais comuns quando se abre o jogo sobre o BDSM podem ser: o parceiro se interessar, querer saber tudo e se sentir aliviado que consigam explorar juntos outros fetiches; o parceiro sentir que não conhece mais a pessoa, que eles tomaram direções diferentes; o parceiro se sentir enganado “onde vc está aprendendo isso? “; ou ainda o parceiro sentir que o outro quer machuca-lo fazendo-o sentir dor.

Depois de alguns anos vendo as mais diversas reações e até experimentando e quebrando a cara eu mesmo, percebi que o melhor a se fazer é sempre usar a técnica do conta-gotas. Você dá um tapa ou pega um pouco mais forte um dia, e em um momento de muito tesão, em outro dia, você conversa sobre fantasia e pergunta sobre algo que o seu parceiro gostaria de tentar (nesta etapa vence-se qualquer resistência do parceiro quando se tenta realizar uma fantasia dele), noutro dia vc complementa a fantasia do parceiro com algo que vc quer tentar, e gradualmente vai construindo a cena que você gostaria de realizar.

Há uma certa polemica sobre “Dominadores de verdade”, “Submissos(as) de verdade” e como “seria” diferente a pegada de alguém que se descobre BDSM e alguém que é trazido pelo parceiro, porém isto é assunto para outro texto.

Sendo assim, para quem chega agora, ou para os veteranos, é sempre bom escolher bem os parceiros, normalmente bons parceiros e boas amizades são a base para ótimas experiências e até realização sexual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *