Press "Enter" to skip to content

Baunilha Monogâmico x BDSMer Poligâmico

Ares 0

Reza uma antiga lenda de que a monogamia foi inventada a muito tempo atrás pelo clero, na época, os membros do clero poderiam se casar e ter filhos. Como não existia a monogamia, estes membros do clero poderiam se casar com várias mulheres e como seu sustento era provido pelas igrejas, quanto mais mulheres mais despesas, isso acabava ficando caro para o clero. Em algum momento foi convencionado que a monogamia era a melhor opção, e quem não fosse monogâmico não iria para o céu, ou coisa do tipo.

Sendo um acordo entre as partes, a monogamia existe hoje como parte de um contrato matrimonial, que acabou sendo extrapolado para namoros e até ficantes.

Esta regra da monogamia existe e é levada extremamente a sério dentro de relacionamentos conjugais, normalmente reforçada por sentimentos como ciúmes e posse. Como em um relacionamento baunilha convencional não há uma clara hierarquia de poderes, como no relacionamento Dom/sub, as duas partes são Donas do corpo e do amor do outro, exigindo, demandando e fazendo valer suas vontades quando possível.

Em uma relação saudável, não acho que um acordo de monogamia, mesmo que implícito, seja algo necessário. Eventualmente, quando estamos com uma pessoa e esta pessoa nos satisfaz, mesmo que haja outras pessoas que despertem nosso interesse, isso acaba passando e continuamos com nossa relação bonita e feliz.

Com o advento do BDSM em nossas vidas temos a opção de experimentar e questionar bases que tínhamos como sólidas, e isso nos permite viver muitas experiências novas, prazerosas ou não. Uma dessas bases é a monogamia. Crescemos vendo nossos pais como monogâmicos, vendo a sociedade condenar o adultério e de repente, o BDSM nos permite burlar esta regra.

Seria bom se deixássemos de ser baunilhas…

O que acontece normalmente é que entramos para o BDSM com a mentalidade baunilha, ou seja, trazemos todos os nossos medos e inseguranças.

Quando um casal, Dominador e submissa, já com uma negociação avançada ou Dominador como Dono e submissa como posse, e o Dominador tenta abrir espaço na relação para mais uma pessoa instala-se o caos. Já vi várias imagens e memes que tentam ilustrar como é a relação de duas submissas na presença e na ausência do Dominador, em todos eles, é comum mostrarem boa convivência na presença e brigas, fofocas e alfinetadas na ausência.

Quando acontece de ser Rainha e submisso, relação já estabelecida, e a Rainha tenta abrir espaço para mais uma pessoa na relação, o que acontece é que o submisso original se sente desmotivado e desanimado com a relação, em alguns casos acontece uma disputa pela Rainha, os submissos tendem a discutir menos e a bater menos de frente, tentam ignorar a existência do concorrente submisso e de forma velada começam a competir para ver quem é o melhor submisso.

De toda forma, o Dominante tende a abrir espaço na relação para uma terceira pessoa por ego, por insuficiência do submisso, por ser de fato poliamoroso, ou simplesmente pq gosta de ter mais de uma pessoa sendo dominada em sessão.

Já cheguei a ter 3 submissas encoleiradas e uma “participação especial” em sessão. De fato, foi esplêndido, me senti realmente um Deus Grego, alguém super foda que podia ter o mundo a seus pés.

E durante um tempo deu certo.

timebomb--large

Porém a realidade bate à porta e dependendo do seu momento de vida, satisfazer seu ego pode ser uma opção ótima ou uma opção terrível. Seria como se endividar para comprar um carro, você tem condições de sustentar este “estilo de vida”? Normalmente as pessoas respondem que sim, mas normalmente a resposta é não.

A regra é simples, vou usar submissa por ser próximo a minha realidade, mas como tudo que eu escrevo, pode ser extrapolado sem que o gênero seja importante.

Bom, você tem 1 submissa, consegue vê-la semanalmente, normalmente tem sessões a cada 15 dias, consegue planejar uma sessão e se satisfazer.

Com a segunda submissa, todo o tempo que você tem livre diminui, pois são duas pessoas querendo atenção, tarefas, conversa e sessão. Se você fazia sessões quinzenais, elas passam a ser semanais. Se você tem um local próprio não precisa se preocupar com eventuais aumentos de gastos, como por exemplo, motel. Se as duas conversam e tem boa relação, dá até para arriscar uma sessão a 3 eventualmente. Se as duas conversam e não tem boa relação, você tem que tomar muito cuidado para não “repetir” o roteiro da sessão de uma com a outra, elas vão falar e eventualmente fazer pressão sobre você, neste ponto, sessão a 3 colocando as submissas no mindset correto é possível, mas requer muita expertise. Se as duas não conversam, eventualmente as duas vão fazer pressão, uma de cada lado, pois elas vão se sentir a “oficial”, e você vai ter que escolher quem vai a algum evento com você. Se as duas não sabem da existência uma da outra, você está traindo as duas.

Dito tudo isto, se você quer ter 3 submissas, imagine toda essa complicação multiplicada por 9. Se você quer ter 4 submissas, imagine a complicação por 16, e por aí vai, problemas exponenciais.

Só que, tudo isso são hipóteses. As vezes você pode ter alguma coisa MUITO melhor e não só problemas, tudo depende quando se trata de relação entre pessoas.

Sei que cada um tem que ter aquilo que acha que merece e estar disposto a arcar com as consequências.

E antes que fique pensando se me arrependo… A minha relação com as 4 foi ótima, mulheres lindas, atraentes, inteligentes, bem resolvidas, muito pervertidas e apaixonadas por mim. Eventualmente a coisa toda deu errado e com certeza foi despreparo meu. Talvez hoje desse certo, talvez nem começasse, não sei de verdade….

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *