Press "Enter" to skip to content

Como abordar um Dominador ou Domme dos seus sonhos

Ares 0

Digamos que você encontrou o Dominador(a) dos seus sonhos. O que fazer agora?

É comum se perder entre aquele momento que você se depara com alguém que possa lhe interessar e o ponto de chamar a atenção do mesmo, para que uma conversa surja. Muitos dos contatos entre praticantes do BDSM tem acontecido virtualmente, os motivos são óbvios: facilidade de abordagem, a manutenção do anonimato, a sensação de segurança por estar atrás de uma tela, etc.

Essa facilidade de contato muitas vezes acaba por trazer também certos problemas. O número de submissos supera em muito o número de dominantes. Todos os dias aparecem novos submissos, pessoas querendo experimentar novos fetiches, ou ainda os indecisos que acabam optando pela submissão pela chance de aprender e talvez resolver sua dúvida. Isso faz com que os dominantes mais “conceituados e experientes” “sofram” com a quantidade de interessados em servi-los.

*”Conceituados e experientes”, entre aspas, pois depende muito do fascínio e da responsabilidade que o dominante exerce, e também das referências que as pessoas tem deles. O meio BDSM é bem pequeno para todo mundo saber quando algo que não deveria acontecer acontece.

*”Sofram”, entre aspas, pois eventualmente você se cansa de abordagens diárias e de sempre aparecerem interessados que desistem rapidamente no primeiro filtro. Filtro são pequenos obstáculos que servem para testar a vontade da pessoa em realmente se entregar e viver a experiência. Por exemplo, eu sempre digo as pessoas que me interessam: “Quero uma sessão avulsa, não quero relacionamento”, assim filtro aqueles que se permitem experimentar, abro possibilidades para futuros encontros, para um possível relacionamento, e evito aquelas pessoas que andam com “vestido de noiva na bolsa”.

Continuando.

Um dominador “médio” recebe cerca de 1 a 2 novas abordagens por dia quando permanece tempo o suficiente conectado ou tem um bom perfil, contando abordagens de homens e mulheres. Normalmente os submissos homens são mais ávidos por conhecer o máximo possível de dominadores, e tentam “economizar” na abordagem, com frases do tipo “E aí? Curte o que? ”, “preciso ser arrombado hoje”, etc. Há também aqueles que enviam fotos de pênis, o cú arreganhado, ou coisas que acabam por afastar mais do que aproximar um Dominador. Submissas são mais contidas, elas normalmente enviam pedido de adição via facebook e esperam que o Dominador entre em contato. Há as que mandam um “oi” e ficam esperando que o Dominador renda assunto.

Uma domme “média”, recebe pelo menos 3 abordagens por dia, tendo perfil ativo ou não, tendo fotos pessoais ou não. Normalmente os submissos variam muito suas abordagens, há os que usam “olá Senhora, posso me aproximar? ”, “Oa sihora mimqer faar c vc”, fotos de pintos, cú, e outras fotos em geral, etc. As submissas que abordam dommes normalmente cometem menos erros de português e tentam conversar mais, apesar de que há sempre exceções.

O BDSM permite que você escolha seu papel e viva sua fantasia com tudo o que tem direito, portanto como tudo se desenrola na sua imaginação?

No meu jogo de Dominador, mesmo que seja através de internet, conversar com um submisso permite certas abreviações, mas não permite erros de português de nenhuma das partes. Eventualmente erramos, uma tecla escapa, as vezes aparece uma letra a mais por digitar muito rápido, etc. O que é diferente de se escrever sem utilizar virgula, ponto final, ponto de exclamação (esse eu já desisti faz tempo!) E principalmente ponto de interrogação. Trocar letras e não usar plural são coisas que incomodam e até doem.

Portanto, como chamar a atenção de forma positiva? A resposta mais fácil seria “comprar sua atenção”, talvez algum presente de uma lista que o mesmo tenha, ou mesmo dinheiro. Como normalmente não tendemos a dar nosso dinheiro a pessoas que não conhecemos, há outras formas:

– Se você tem certeza da sua submissão e reconhece o Dominante que pretende abordar como alguém que te dominaria, tente já esclarecer a hierarquia do jogo de poder utilizando pronomes de tratamento, com iniciais em maiúsculo, “Senhor” e “Senhora” aqui bastam.

– Sempre diga bom dia, boa tarde ou boa noite, quando começar uma conversa, é de bom tom e passa uma boa educação. Quer dizer que você direciona algo bom a pessoa e isso inconscientemente tem valor.

– Pergunte “Tudo bem? ” Ou “Como vai? ”. Passa a sensação de que você se preocupa com a pessoa e evita a ideia de que você só quer usa-la (sim, submissos tentam “usar” dominantes, mas isso cai em outro texto).

– Quando perguntarem a você “tudo bem? “ Sempre responda e pergunte de volta “tudo bem e com vc? ” Mais uma vez passa a sensação de que você se preocupa com a pessoa e não quer usa-la.

Passado o “ritual” inicial em que você demonstra uma boa educação. Tente iniciar uma conversa, é mais fácil quando se encontra algo em comum no perfil da pessoa.

– “Adorei a foto que postou. Também sou fã da foto que postou. Tem alguma foto disso que seja sua preferida? “;

– “Esse vídeo que vc postou sobre tal coisa. Muito legal, você é fã ou só curtiu o vídeo? ”.

– “Outro dia conversamos sobre tal assunto. Hoje me deparei com esse vídeo/foto e achei que vc ia gostar”.

– Descubra os gostos da pessoa, as vezes o perfil pode dar várias pistas e fica mais fácil conversar. Olhada rápida não tira o gosto de se descobrir o que a pessoa gosta.

– Seja criativo, evite perguntas diretas demais sobre a pessoa, tente assuntos mais levianos e tente estabelecer uma boa conversa.

– Cuidado com pressão para que a pessoa envie fotos. Sei que para homens principalmente, o físico importa, mas se a pessoa não te enviou fotos ou não as tem públicas no perfil, algum motivo tem, se você não sabe ou não tem paciência para descobrir cabe a você procurar outra pessoa.

– Aprenda a estabelecer uma boa conversa, se esgotar um assunto, qual vai ser o próximo? Quais os gostos em comum?

– Whatsapp é uma forma de comunicação excepcional, mas segue a mesma regra da pressão sobre as fotos.

– Saiba que a outra pessoa também tem uma vida fora a internet, as vezes a resposta demora, tenha paciência.

– Nunca, nunca, nunca, NUNCA confunda as janelas do bate papo. Independentemente de quem sejam as outras conversas, dominantes gostam de achar que tem atenção exclusiva.

– Se fazer presente e mostrar sua disponibilidade para a pessoa é diferente de parecer obsessivo. Curtir um ou outro post, as vezes até uma sequência de fotos ou vídeos é normal. Curtir tudo o que a pessoa posta, curtir os comentários que colocam nos posts e qualquer coisa que fuja do bom senso, vai te atrapalhar mais que ajudar.

Há outras ideias de se abordar, coisas que não devemos fazer, e até outras formas de se estabelecer uma conversa. O que devemos sempre observar é o bom senso. O que você gostaria de receber no seu inbox ou privado? Como gostaria que te procurassem? Sobre o que gostaria de falar?

Muitas vezes o autoconhecimento te ajuda a encontrar mais afinidades e a ter melhores conversas.

Uma boa conversa é por onde tudo começa.

 

Um último adendo:

O tamanho do vocabulário e o grau de instrução, normalmente não significam boa conversa ou química, as vezes mesmo que a pessoa não saiba nem escrever pode se ter uma química avassaladora. O que deixo claro com a questão dos erros e dos acertos é que: Comunicação é a base de qualquer relacionamento! Você tem que conseguir se comunicar e se comunicar bem! Se você não entende o que seu parceiro fala, e se o seu parceiro não entende o que você fala, provavelmente vocês vão errar muito um com o outro e não haverá relação que suporte isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *